Coronavírus e os objetos do dia a dia: saiba como se prevenir do contágio

0
334
Foto: REUTERS / Lindsey Wasson/Arquivo

De repente, tudo em nossa volta se tornou uma ameaça. Não é exagero pensar que estamos vivendo num ambiente atual completamente hostil, já que o coronavírus (COVID-19) tem um poder de disseminação altíssimo e a capacidade de ser levado para os quatro cantos de uma localidade em qualquer tipo de objeto. Por isso, em tempos de quarentena, sair de casa se tornou algo tão arriscado: voltar ao ambiente doméstico portando objetos pessoais contaminados pelo vírus é extremamente fácil de acontecer.

A coordenadora do curso de Biomedicina da Anhanguera de Anápolis, Aline Almeida Barbaresco D’Alessandro, explica que o vírus não tem a capacidade de se multiplicar em contato com objetos, mas alerta. “Ele pode sobreviver por dias nesses locais e objetos e quando penetra em uma célula humana começa a se replicar. O vírus é transmitido pelas gotículas respiratórias, mas acaba se fixando em objetos. Por isso, a transmissão comunitária não é apenas de pessoa para pessoa, mas também de pessoa e objeto contaminado”, ressalta.

E que fique bem claro: os nossos pertences pessoais são prato cheio para o COVID-19. “Roupas, bolsas, chaves, sapatos e celulares. Todos têm extrema propensão de fixar o vírus. Uma chave por exemplo pode cair no chão, o celular está em contato direto com a boca ou a mão e a bolsa pode ser colocada em qualquer canto, em cadeiras e no chão contaminado”, exemplifica Aline.

A dica para resolver a situação é muito simples, mas poucos, segundo a especialista, fazem com eficiência. “O ideal é chegar em casa, tirar a roupa do corpo e colocar dentro de uma sacola ou direto para lavar. Já os sapatos, é possível colocar a sola numa solução diluída de água com hipoclorito de sódio (água sanitária) num pano embebido e deixar para fora de casa”, comenta.

Para aqueles objetos que inevitavelmente vão para dentro do lar como embalagens de supermercados, chaves ou celulares, o álcool 70% é extremamente eficiente, mas aqui vai uma dica. “Não adianta só passar ou borrifar o álcool. O ideal é pegar um pano limpo e friccionar nos objetos para que a limpeza seja de fato eficiente”, pontua.

Outra dica está ligada à importância da água e sabão para a limpeza das mãos. De acordo com a coordenadora, muitos estão apenas usando o álcool gel ou álcool líquido, o que pode gerar uma limpeza que não atinge os 100% de eficácia. “O álcool gel não tem a capacidade de tirar a gordura que está em nossa mão. Ele pode até reduzir o número de vírus, mas não exterminar completamente”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here