“Bandido não dita ordem no meu Estado”, afirma Caiado

0
309
Foto: Arquivo

 

O governador Ronaldo Caiado comentou, nesta sexta-feira (19/02), sobre o princípio de motim na Penitenciária Odenir Guimarães (POG) e foi claro: “Bandido não dita ordem no meu Estado”, garantiu, após equipes policiais controlarem a situação no Complexo Prisional, em Aparecida de Goiânia.

Segundo o governador, recuperar a segurança pública no Estado causa incômodo àqueles que tinham verdadeiros ‘bunkers’ [no sentido literal, reduto fortificado, parcial ou totalmente subterrâneo] nesses locais. “É lógico que eles não terão esse conforto”, disse Caiado, durante entrevista ao portal de notícias Mais Goiás.

O governador continuou: “Vamos deixar claro que bandido não vai crescer em Goiás. Todos estão submetidos às normas da lei”, assegurou. “Não existe ninguém que pode afrontar o Estado e muito menos tentar achar que não existem forças de segurança capazes de dar aquilo que a sociedade deseja: o respeito ao cidadão e à vida”, completou.

Questionado se poderia trocar o comando da Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP), uma das reivindicações dos detentos, o governador foi ainda mais enfático. “Goiás não vai aceitar esse tipo de pressão que existiu durante 20 anos. Aqui tem segurança pública e tem ordem. Não somos coniventes com esse nível de bandalheira”, reiterou.

“Vamos deixar claro que quem governa o Estado sou eu, governador e comandante em chefe da polícia. Já foi a época em que Goiás era comandado por quadrilhas. Agora, é governado por quem tem credibilidade moral para tomar decisões”, acrescentou o governador.

Sobre a reclamação de alimentação inadequada para os presos, Ronaldo Caiado disse que a informação não procede. “Não tem a menor seriedade o que alegam”, reafirma. O motim ocorreu um dia após a morte de um agente prisional e da mulher dele na entrada do complexo prisional. Em menos de 12 horas, as forças de segurança identificaram os suspeitos. “Nossa área de inteligência já sabe quais são os tentáculos existentes dentro da penitenciária de Aparecida de Goiânia. É lógico que eles estão usando dessa motivação para achar que podem intimidar o Estado”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here