“Nenhum detento vai vacinar antes dos servidores das forças de segurança”, diz Secretário

0
2971
Foto: SSP

“Isso é um absurdo! Em Goiás, nenhum detento vai vacinar antes dos servidores das forças de segurança do Estado. Não existe estatística que justifique essa decisão do Ministério da Saúde”, garante o secretário de Segurança Pública de Goiás, Rodney Miranda. Nesta quinta-feira (4/03) o Ministério da Saúde apresentou um planejamento de vacinação em que os presos aparecem na 17ª posição, na frente dos agentes que trabalham no sistema carcerário (18º) e também antes das forças de segurança e salvamento (21º). O titular da SSPGO informou que o Ministério da Justiça e Segurança Pública seria acionado pelo colegiado de secretários estaduais, para que pudesse negociar a pauta.

“Não existe isso! Goiás possui cerca de 20 mil servidores das forças, sendo que 33 morreram em decorrência da Covid-19. Já a população carcerária é de aproximadamente 23 mil presos. Foram contabilizadas cinco mortes de detentos, até agora, pela COVID-19. As forças de segurança do Estado estão muito mais expostas que qualquer detento. Faremos o que for possível para que, em Goiás, nossos guerreiros da segurança pública sejam imunizados o quanto antes”, explica Rodney em discordância da decisão ministerial.

O documento com uma mínima tentativa de esboçar um plano de imunização já tinha sido divulgado no fim de janeiro, mas ainda não era esclarecedor. Por determinação do ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), a pasta decidiu colocar números ao lado de cada grupo para deixar claro que a lista era, sim, a ordem dos grupos prioritários na vacinação contra Covid-19.

Ministério da Justiça entra na negociação

Após posicionamento incisivo do secretário Rodney Miranda, dizendo que não seguirá o planejamento divulgado pelo Ministério da Saúde, e consentido pelos demais secretários estaduais de Segurança Pública, o ministro da Justiça André Mendonça informou que vai tentar equacionar a situação com o ministro Eduardo Pazuello.

Em declarações feitas a jornalistas, André Mendonça afirmou que “os profissionais da segurança pública estão desde o início na linha de frente da crise do Covid. Têm que estar nas ruas, transportam doentes, têm que ir a hospitais e não podem fazer homeoffice, ou seja estão em permanente situação de risco”.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here