Tribuna do Planalto

Desde 1986 Fundador e Diretor-Presidente Sebastião Barbosa da Silva tribunadoplanalto.com.br
Ano 29 - Nº 1.448 Go­i­â­nia, 07 a 13 de setembro de 2014
 
Banner
escola

Escola

Língua Portuguesa comemora este ano oito séculos de existência

  • PDF

Leia mais...

Em poema de Olavo Bilac, a Língua Portuguesa é chamada de “Última flor do Lácio, inculta e bela;”. O entendimento desse verso exige que se tenha conhecimento do que seja Lácio: Trata-se da região da Península Itálica que envolve Roma e adjacências; Lácio é o berço do Latim. Então, as flores do Lácio seriam as Línguas provenientes do Latim, como Italiano, Espanhol, Romeno, Francês. O Português é a última delas.
Além disso, no verso de Bilac, é importante atentar para os adjetivos “inculta” e “bela”. Em que aspecto seria inculta a Língua do poeta? No sentido histórico, é claro! É que o Idioma de Camões não veio da Língua clássica de Cícero; ele derivou-se do Latim vulgar, que nasceu nas ruas, que se criou nas bocas de pessoas comuns e de soldados. Mais tarde, esse Latim do povo, em toda a Europa, deixou-se influenciar por inúmeras Línguas bárbaras; então, na Península Ibérica, um dos Latins bárbaros deu origem ao Galego Português, o embrião de nossa Língua.
É claro que o parágrafo acima é quase irresponsável; ele tenta, em poucas, palavras, resumir séculos. No entanto, a ideia é dizer que a Língua Portuguesa é bela porque é inculta. Sua beleza e sua existência decorrem da vida, da história.
Com isso, não se pretende criar a impressão de que estudar regras gramaticais seja inútil; a normatização da língua é uma artificialidade necessária. Na vida, enfrentamos situações formais que exigem um domínio padrão; por isso, as regras devem ser ensinadas na escola, não há dúvida. Assim, o conhecimento normativo é como aquele terno guardado que deve ser usado quando a situação exigir.
No entanto, conhecer a Língua é mais do que separar o sujeito do predicado.
Para vivenciá-la, é preciso saber, por e­xemplo, que, em 2014, a “última flor do Lácio” faz oito séculos. Há oitocentos a­nos, em 1214, o terceiro rei de Portugal, D. Afonso II, redigiu, em Galego Por­tu­guês, um testamento, que foi considerado o primeiro documento oficial redigido nessa Língua.
A data comemorativa é importante para promover nosso Idioma. Escolas, Instituições, Intelectuais devem aproveitá-la como ferramenta de estímulo à valorização da Língua Portuguesa.
É que a Língua funciona como espelho; conhecê-la é descobrir-se nela. Nesse sentido, é necessário redescobrir Camões, reapaixonar-se por Machado de Assis; é preciso revalorizar o Português. Uma forma de fazer isso é reinventar as dimensões estéticas e filosóficas dessa última flor.
Temos que nos vacinar contra o risco da instrumentalização do Idioma. Ele não serve apenas para pedir água! Ele não deve saciar apenas a sede do corpo! É com palavras que pronunciamos nosso nome na história; é com elas que encontramos nosso lugar no mundo!

Adriano Alves estudou Teologia, Direito e Letras. É professor de Gramática, Texto, Redação e Literatura em escolas e cursinhos de Goiânia

 

 

Brincadeira também ensina

  • PDF

Leia mais...

No mês das férias o aprendizado não vai parar. Crianças de 7 a 10 anos, dependentes de comerciários, poderão praticar várias atividades durante as férias da escola. O projeto do Sesc Goiás vai proporcionar a oportunidade das crianças aprenderem brincando. As atividades serão focadas nos programas do Sesc, levando educação, cultura, saúde, lazer e assistência.
As atividades vão ocorrer do dia 8 a 12 de julho no turno vespertino, sempre das 13h às 17h30, no Sesc Campinas, e no Sesc Universitário nos dias 15 a 19 de julho, também no mesmo horário. Em Campinas no sábado, 12, as atividades ocorrerão pela manhã das 8h às 12h. Os pais que não querem deixar os filhos em casa nas férias, mas sim participando do projeto deverão apresentar no ato da inscrição: certidão de nascimento da criança, carteira do Sesc de dependente atualizada, ficha de inscrição preenchida e cópia do comprovante de endereço com telefone.
A inscrição para o “Aprender Brin­cando” no Sesc Campinas deverá ser realizada na Central de Atendimentos da Unidade até o dia 3 de julho. Já para quem tem o interesse pela participação do projeto no Sesc Universitário, o período da inscrição vai até o dia 11 de julho. O valor cobrado pela inscrição é de R$25,00 e dois litros de leite longa vida. Outras informações pelo endereço eletrônico www.sescgo.com.br/.


Programação no Sesc Campinas

 

 

08/07 (terça-feira)
a Horário: 13h às 17h30
Apresentação do projeto aos pais e responsáveis
Entrega do material promocional
Formação das equipes
Tema do dia: Brincar com prazer (orientações sobre o tema)
Gincana esportiva
Lanche
Recreação na piscina
(a criança deve levar roupa de banho e toalha)

09/07 (quarta-feira)
Horário: 13h às 17h30
Apresentação de Arte Educação e orientações sobre o tema: Alimentação é saúde
Orientações sobre o tema: Segurança alimentar, desperdício e custo dos alimentos
Oficina de sanduíche natural
Apresentação de Arte Educação e orientações sobre o tema: O cuidado com a saúde da boca
Oficina: “Dentinho, a missão: uma verdadeira batalha contra as bactérias”
10/07 (quinta-feira)
Horário: 13h às 17h30
Visita institucional ao Ceasa / Lanche

11/07 (sexta-feira)
Horário: 13h às 17h30
Apresentação de Arte Educação e orientações sobre o tema: Sou amigo da Natureza
Gincana da saúde com o tema: Meio Ambiente (a criança deve levar roupa de banho e toalha)
Lanche
Oficina: “O luxo do lixo”

12/07 (sábado)
Horário: 8h às 12h
Café da manhã com pais/responsáveis e crianças
Abordagem do tema: Meio Ambiente e plantio da horta suspensa de verduras
Palestra: pais presentes, filhos saudáveis
Gincana da saúde (a criança deve levar roupa de banho e toalha)
O Sesc Campinas fica na Avenida Rio Grande do Sul, nº 123 - Setor Campinas, Goiânia.

 

 

Pequenos empresários, futuros empreendedores

  • PDF

Leia mais...

“O que você vai ser quando crescer”? Essa é uma das perguntas que os adultos mais fazem às crianças e adolescentes e também uma das mais difíceis de serem respondidas.
Mas enquanto isso ainda não é decidido, estudantes do Ensino Fundamental e Médio podem vivenciar experiências que levam um pouco do mundo dos negócios para dentro das escolas e testam as habilidades para, quem sabe, se tornarem futuros empreendedores.
Cerca de 100 escolas, entre públicas, conveniadas e particulares, e aproximadamente 15 mil alunos do Fundamental ao Médio participam de programas como o da empresa Junior Achievement, em Goiás.
A iniciativa é desenvolvida dentro das instituições de ensino com o patrocínio das empresas mantenedoras para que não haja nenhum custo às escolas, sejam elas particulares ou públicas.
Cada etapa do programa aborda uma questão do mercado com conteúdo programático específico. Os conteúdos são apresentados por voluntários com experiência empreendedora e que geralmente fazem parte das empresas parceiras.
Outra iniciativa semelhante em Goiás é o Jepp (Jovens Empreendedores Primeiros Passos), realizado pelo Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas).
O projeto atende alunos do Ensino Fundamental (do 1º ao 9º ano) de 141 escolas em tempo integral na faixa etária de 6 a 14 anos. Durante as aulas, crianças e jovens têm a possibilidade de criar produtos e definir os próprios negócios, recebendo uma educação empreendedora e experimentando um pouco de como é ser um empreendedor, além de buscarem possibilidades de uma futura inserção no mundo do trabalho.

Objetivos e benefícios
Segundo a diretora executiva da Junior Achievement em Goiás, Marisa Brandão Martins, a iniciativa busca consolidar a cultura empreendedora e formar uma geração de lideranças nas áreas empresarial, educacional, social e política.
Para ela, a formação de um jovem empreendedor também passa por valores humanos como honestidade, ética, perseverança, respeito, coragem, sensibilidade e sustentabilidade.
Marisa acredita que esse tipo de experiência traz inúmeros benefícios para os estudantes, transformando-os e os tornando potenciais empreendedores, pessoas que poderão colaborar com o crescimento do país. “Participar desses programas traz para os jovens um desenvolvimento pessoal e a capacidade de formular objetivos claros, experiência realista dos negócios; fortalecimento de princípios éticos e sadios e desenvolvimento da responsabilidade social individual e fortalecem em si os valores humanos. Os jovens se convertem, assim, em pessoas mais informadas, consumidores mais exigentes, melhores empregados ou empregadores e, por fim, adquirem o espírito empreendedor de que o Brasil tanto necessita. Os jovens que participam dos programas compreendem que são eles os protagonistas de suas histórias, empreendedores de seus próprios caminhos, e são estimulados a assumir assim, uma atitude empreendedora em suas vidas”, afirma.


Empreender

É importante ressaltar a diferença entre mundo do trabalho e mercado de trabalho. É o que destaca a economista e analista de educação empreendedora do Sebrae Goiás, Thaís Gonçalves de Oliveira, coordenadora geral do Jepp (Jovens Empreendedores Primeiros Passos)
Ela afirma que esse projeto busca preparar os jovens estudantes para o mundo do trabalho levando inúmeras possibilidades às crianças. “Ao preparar o estudante para o mercado de trabalho, estamos preparando para algo pronto, algo sem modificação. Ele será mais um com as mesmas competências dos demais. Ao dizer que estamos preparando os estudantes para o mundo do trabalho, estamos dizendo que há inúmeras possibilidades. Ele possuirá habilidades comportamentais para obter êxito se for funcionário de uma empresa, se for dono de um empreendimento ou na concepção de um cidadão consciente e responsável socialmente”, diz ela.

Habilidades
Segundo a economista, a educação empreendedora não busca nem espera que todos os estudantes se tornem empresários no futuro. O objetivo maior é a formação da compreensão de que eles precisam desenvolver habilidades e competências para empreender de todas as formas e em qualquer área que atuem.
Além das habilidades e conhecimentos que a experiência traz, Thaís afirma que é uma possibilidade de realização de sonhos. “O jovem terá conhecimento acerca das características do comportamento empreendedor e do Plano de Negócios, o que o possibilitará na compreensão e priorização das ações para a realização de seu sonho. Ao final dos cursos tem-se o Plano de Negócios para a vida, que visa realizar o sonho, seja este de qualquer natureza e tamanho”, acrescenta. 


Experiência nos negócios

Taynara Cardoso é estudante do segundo ano do Ensino Médio em uma escola particular de Goiânia. Recentemente a adolescente de 16 anos dividiu os estudos com uma experiência de empreendedorismo.
Ela e outros alunos da turma montaram uma miniempresa, projeto que faz parte da parceria entre a Junior Achievement e a escola. Neste programa, os alunos são os responsáveis por escolher um produto para ser comercializado e como ele será feito. A produção fica toda por conta dos jovens empreendedores.
A turma da Taynara apostou na sustentabilidade e confeccionou uma carteira com materiais recicláveis. O produto teve até slogan: “A sustentabilidade no seu bolso”. “Nós discutimos sobre qual produto iríamos fabricar, visando algo que fosse sustentável e prático. A partir daí veio a ideia de fazer uma carteira ‘mágica’, confeccionada com caixa de leite ou de suco e coberta por tecido. Uma coisa prática e que cabia no bolso para levar para casa”, conta a estudante.
A empresa montada pelos alunos, a “Eco Wallet”, teve a oportunidade de comercializar seus produtos em um evento em um shopping de Goiânia, voltado especialmente para que os alunos das escolas que participam do programa.

Formação pessoal
A estudante conta que aprendeu várias coisas relacionadas ao mundo dos negócios participando do projeto de miniempresa. “Com a experiência pude ter ideia de como é trabalhar numa empresa, a preocupação com o cliente visando o lucro. Aprendi também a função do departamento financeiro e de um diretor de marketing”.
De acordo com Taynara, além dos conhecimentos adquiridos sobre o mundo dos negócios, a experiência colaborou também para sua formação pessoal. “Esse programa, além de ter me proporcionado uma nova mente para os negócios, também me proporcionou a interação com as pessoas. Futuramente me ajudará nos problemas que irei enfrentar”, diz ela.
Os alunos do Colégio Estadual Castelo Branco, em Quirinópolis, apresentaram ótimos resultados no projeto Jovens Empreendedores Primeiros Passos (Jepp). A professora dos alunos do 1° ano, que têm entre 6 e 7 anos, Elzanir Silva Alves, esteve à frente do negócio criado por eles.
As crianças trabalharam com ervas aromáticas, produzindo sachês perfumados e até chás para serem comercializados na feira do shopping. A professora conta que os estudantes aprenderam a lidar com planejamento e pesquisa de mercado.
Para ela, os benefícios foram vistos até mesmo em sala de aula. “Os alunos desenvolveram habilidades em várias disciplinas, como, por exemplo, em matemática, pois foi preciso fazer contas para calcular lucro e prejuízo. Português para pesquisar sobre as ervas e Geografia para conhecer nossa região e saber onde encontravam as plantas”, relata.


Características em comum

Leia mais...

Realizada em 68 países, a pesquisa GEM (Global Entrepreneurship Mo­ni­tor),  sob o comando da London Bu­siness School e Babson College, mostrou que o índice que mede o empreendedorismo por oportunidade  subiu para 71% no Brasil no ano de 2013.
Os empreendedores por oportunidade são aqueles que optam por abrir o próprio negócio mesmo quando possuem alternativas de emprego. Durante a pesquisa foram ouvidas 10 mil pessoas, entre 18 e 64 anos, de todas as regiões e 85 especialistas em empreendedorismo.
Os dados revelaram que o país teve o melhor desempenho do ranking entre os países que formam o Brics, junto com o Brasil (Rússia, China, Índia e África do Sul). Mas o Brasil não ficou muito atrás de países como os Estados Unidos, que apresentou o índice de 78%, e Reino Unido com 84%.
O aumento da escolaridade é o fator que contribui para que o índice de sobrevivência das empresas cresça. Dos novos empreendedores no Brasil, quase metade tem pelo menos o segundo grau completo.
Segundo a pesquisa, quase 85% dos brasileiros consideram abrir o próprio negócio como uma boa opção de carreira. Entre os jovens há um grande interesse pelo empreendedorismo, porém, segundo uma pesquisa feita pelo Grupo de Líderes Empresariais e a Fundação Getúlio Vargas, esse público apontou algumas dificuldades para entrar no mundo dos negócios.
Entre elas está o capital para ser aplicado (32%), o ambiente favorável (28%) e falta de experiência (21%). Em relação às áreas que precisam melhorar no país, 56% dos jovens destacaram a educação, 20% a infraestrutura, 21% citou a política e 3% a saúde.


Todo empreendedor tem...

A ONU (Organizações das Nações Unidas) realizou uma pesquisa para saber o que as pessoas que alcançaram o sucesso tinham em comum. Os dados revelaram 10 características básicas. Confira:

  • Busca oportunidades e tem iniciativa
  • É persistente
  • Corre riscos calculados
  • Exige qualidade e eficiência
  • Tem comprometimento
  • Busca informações
  • Estabelece metas
  • Tem planejamento e monitoramento sistemático
  • Utiliza persuasão e rede de contatos
  • É independente e autoconfiante
 

Boi de estimação em perigo

  • PDF

Leia mais...

Grupo de Teatro Destinatário apresenta nos dias 18, 24 e 25 de junho a peça “Bumba, meu boi Estrela”, no Teatro do Sesc Centro. A história é de um boizinho dançador, com uma estrela na testa que veio do céu para ser presente do Amo Coronel, que vai viajar e deixa o animal de estimação aos cuidados de Pai Francisco e sua esposa Catirina.

A confusão começa quando a mulher do Amo Coronel descobre que está grávida e passa a ter desejos absurdos, dentre eles comer a língua do boi estrelado.
O espetáculo teatral promete muitas gargalhadas e diversão ao público. O espetáculo é apresentado às terças e quartas-feiras e faz parte de uma série de apresentações de teatro, dança, música e circo que ocupam o espaço do Teatro Sesc Centro.
A peça tem classificação etária livre e os ingressos podem ser adquiridos por R$10 (inteira), R$5 (meia) e comerciários e dependentes pagam R$2


Agende-se

 

Peça teatral “Bumba, meu boi Estrela”
Dias 18, 24 e 25 de junho, às 20 horas
Teatro Sesc Centro (Rua 15, esquina com 19, Centro)

 

 
Banner
Voce esta aqui Escola