Tribuna do Planalto

Desde 1986 Fundador e Diretor-Presidente Sebastião Barbosa da Silva tribunadoplanalto.com.br
Ano 30 - Nº 1.469 Go­i­â­nia, 01 a 08 de JANEIROde 2015
 
Banner
escola

Escola

Ciência para a vida

  • PDF

Leia mais...Em 1930 o pensador, humanista e educador argentino Carlos B. González Pecotche (1901-1963) apresentou ao mundo uma nova ciência que pode colaborar com a rota do desenvolvimento humano: a Logosofia. O conceito se baseia no autoconhecimento do homem, bem como no conhecimento de Deus, do Universo e de suas leis, guiando os indivíduos a encontrar soluções dentro de si para depois contribuir com seus semelhantes, na tentativa de ajudar a humanidade a resolver os graves problemas enfrentados.

"Conseguir que as gerações futuras sejam mais felizes que a nossa será o prêmio mais grandioso a que se possa aspirar. Não haverá valor comparável ao cumprimento dessa grande missão, que consiste em preparar para a humanidade futura um mundo melhor”, registrou certa vez Carlos B. González. Os principais objetivos trabalhados pela Logosofia são a evolução consciente do homem; o conhecimento de si mesmo; a integração do espírito; o conhecimento das leis universais; o conhecimento do mundo mental; a edificação de uma nova vida; o desenvolvimento e o domínio profundo das funções de estudar, aprender, ensinar, pensar e realizar.
Uma escultura feita pelo artista uruguaio Yandí Luzardo apresenta de modo claro a evolução consciente proposta pela Logosofia: o homem esculpindo a si mesmo. A partir desse prisma, o método logosófico guia os seres a se conhecerem mais a fundo, fazendo um estudo interno sobre seu caráter, pensamentos, qualidades, deficiências psicológicas e outros aspectos mentais e espirituais.
Quando Denise Patrus, membro da Fundação Logosófica em Goiânia, decidiu estudar Logosofia, conta que percebeu que só ela é autora do seu destino, sendo os acontecimentos do mundo apenas um reflexo das ações. “Quando eu era mais jovem, percebi que os estudantes de Logosofia vibravam com a vida e eram felizes. Eu sentia que a minha vida estava limitada e queria aquela felicidade pra mim. Acreditei que era possível transformar minha vida, em 1º lugar, e depois passar o ensinamento aos que estivessem a minha volta”, lembra Denise.
A Logosofia não é religião nem filosofia, mas sim uma ciência experimental: “Aquele que estuda e pratica os ensinamentos logosóficos aprende a conhecer seu mundo interior. A Logosofia também orienta o ser humano a adestrar-se na utilização das faculdades de sua inteligência, de modo a ser capaz de criar pensamentos próprios de índole construtiva”, explica Sylvie Antonini, integrante da Fundação Logosófica, em São Paulo.

Autoconhecimento
Estudante de Logosofia há 50 anos, José Miranda, 81, explica que a Fundação Logosófica é uma escola que capacita o ser humano para a vida. “A Fundação Logosófica, trazendo uma nova concepção do homem e do Universo, prepara o ser humano para viver, baseado na conquista do autoconhecimento”, afirma.


Pedagogia Logosófica - Formando pessoas melhores

A pequena Melina Oliveira, de 6 anos, que estuda no Colégio Logosófico González Pecotche, em Goiânia, aprendeu que é o pensamento que determina suas ações. Por isso, quando tem vontade de brigar com sua irmã menor, por exemplo, ela costuma contornar a situação com um pensamento positivo, do bem. “Eu preciso lembrar o que eu aprendi pra cultivar, aí não penso em nada mal, mas às vezes é difícil”, conta a estudante.
Assim como Melina, outros 450 alunos da escola são formados com base na pedagogia logosófica, que trabalha aspectos físicos e espirituais – mas não há relação com religião – promovendo o conhecimento de si mesmo e ensinando sobre os valores para a vida. Em uma das salas visitadas durante a reportagem do Escola, os estudantes ressaltaram a importância do pensamento para as atividades diárias. “É preciso ter pensamentos bons, mas tem gente que não consegue porque está fraquinha”, disse uma das crianças que estuda no local.
Atualmente, existe uma unidade do Colégio Logosófico em Goiás e outras sete em todo o país. O corpo docente da escola é composto de pedagogas com formação acadêmica e com vivência no estudo e prática da Logosofia. A diretora do colégio, Valéria Aparecida Andrade, explica que o objetivo da instituição é ajudar os pais na formação dos seus filhos para que o mundo tenha seres humanos melhores. Os valores são ensinados às crianças no dia a dia durante as aulas, a partir dos conhecimentos da Ciência Logosófica. “O colégio cria experiência para que esses conceitos possam ser vividos e assimilados para fazer parte do ser e de sua conduta, fazendo que ele (aluno) atue em qualquer lugar com excelência de caráter e valores”, diz Valéria.
A diretora da instituição de ensino  argumenta que trabalhando com questões ligadas à responsabilidade e à ordem, a parte curricular também será desenvolvida, pois o educando cria condição para estudar, e a escola passa a ter crianças interessadas no conhecimento que lhes é transmitido. Nesse sentido, a pedagogia logosófica trabalha para despertar a capacidade sensível e intelectiva do aluno, favorecendo a assimilação dos conceitos importantes na construção do ser. Valéria Andrade assinala que a mente da criança é terra virgem e fértil. Por isso é preciso aproveitá-la ao máximo plantando boas sementes.


A força do pensamento

Uma das descobertas logosóficas é que o pensamento é uma energia absolutamente autônoma, o agente causal da conduta; o corpo age da maneira que o pensamento manda. O autoconhecimento permite que as pessoas descubram essa realidade dentro de si e passem a ter o controle da própria vida. Quanto mais consciente o homem é da realidade interna que determina sua conduta externa, mais ele acerta, menos erra, torna-se mais útil e mais feliz.
Atualmente as sedes culturais da Fundação Logosófica em Prol da Superação Humana estão presentes em vários lugares do mundo, atraindo pessoas que buscam satisfazer as inquietudes espirituais e melhorar seus relacionamentos inter e intrapessoais. No Brasil existem cerca de 150 unidades voltadas para o estudo da Logosofia, sendo 8 em Goiás e uma no Tocantins.
As reu­ni­ões de es­tu­do acontecem duas vezes por se­mana e tratam de assuntos voltados para os conceitos, sentimentos e acontecimentos da vida. Na proporção de seu avanço, o estudante vai identificando dentro de si os agentes causais de sua conduta, e tomando consciência, ao mesmo tempo, da influência que eles exercem sobre sua forma de pensar, de sentir, de atuar, de viver e con­viver.


Saiba mais

O primeiro colégio Logosófico no Brasil foi fundado em 1963 em Belo Horizonte (MG). Segundo seus fundadores, com a missão de contribuir com o desenvolvimento físico, mental e espiritual dos alunos e também colaborar com a humanidade, formando pessoas mais conscientes de sua responsabilidade diante da vida, da sociedade em que vive e do próprio mundo.
Antes do aluno ser aceito em um Colégio Logosófico, os pais passam por uma entrevista para entender como é o método de ensino adotado, qual a proposta e que resultados se podem esperar. Durante a formação do estudante, os responsáveis participam efetivamente das atividades, tanto na instituição, durante o estudo sobre a estrutura da família, quanto em casa, cuidando do que a criança vê e ouve.
Outas informações sobre a Logosofia, bem como os endereços na fundação em Goiânia, podem ser acessadas no endereço eletrônico www.logosofia.org.br. Na página virtual também é possível ter acesso a artigos sobre a ciência e cursos na área. 

 

“Nos Caminhos Afro”

  • PDF

Leia mais...O Museu de Arte Contemporâ­nea, localizado no Centro Cultural Oscar Nie­meyer, recebe até 30 de no­vem­bro a mostra itinerante “Nos Ca­mi­nhos Afro”, que traz para a capital fotogra­fias do renomado fotógrafo Pierre Verger. A mostra, composta por 170 imagens, é um convite para uma viagem no tempo durante as longas expedições do artista em destinos como Cuba, Haiti, Serra Leoa, Santo Domingos, Estados Unidos, entre outros, nas decas de 1932 e 1970.

Nas imagens Verger retrata o cotidiano, a cultura e a religiosidade de descendentes de africanos no Brasil e em mais de 20 países. As obras revelam a proximidade de povos de origem afrodescendente com o continente-matriz: África. Além da exposição também são apresentados dois vídeos aos visitantes: Olhares Nômades (2005), composto por trilha sonora original e 600 fotografias sobre a cultura popular nordestina; e um documentário de Lula Buarque de Holanda, que conta com a última entrevista de Verger, feita pelo artista Gilberto Gil.


Fique atento!

O quê? "Nos Caminhos Afro"
Quando? até 30 de novembro
Quais dias? de terça a domingo, das 10h às 16h
Onde? Museu de Arte Contemporânea - Centro Cultural Oscar Niemeyer
Quanto? entrada gratuita


Arte engajada

Mostra Cinema e Direitos Humanos

O Cine Cultura recebe de 11 a 16 de novembro a 9ª Mostra Cinema e Direitos Humanos no Hemisfério Sul .Um festival promovido pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, que será exibido nas 26 capitais brasileiras e no Distrito Federal, em datas diferentes, com objetivo de ajudar a difundir as obras que problematizam e abordam os Direitos Humanos.     
A novidade desta edição, que tem como tema especial os 50 anos do golpe militar, são filmes produzidos não só na América do Sul, mas também em países do Hemisfério Sul, como Egito e Jordânia. Todas as produções audiovisuais possuem o sistema closed captione, para pessoas com deficiência visual, e também serão exibidas com audiodescrição, para pessoas com deficiência auditiva. A programação completa de filmes, bem como os horários de exibição em Goiânia, está disponível no endereço eletrônico  www.mostracinemaedireitoshumanos.sdh.gov.br


Fique atento!

O quê?  9ª Mostra Cinema e Direitos Humanos no Hemisfério Sul
Quando?  De 11 a 16 de novembro
Onde? Cine Cultura – Centro Cultural Marietta Telles – Praça Cívica, Centro
Quanto? entrada gratuita

 

Você tem inteligência emocional?

  • PDF

Leia mais...

Você é do tipo de pessoa que ao fazer novos amigos já demonstra um interesse imediato sobre a vida deles? Você não se importa de deixar de fazer algo para si para ajudar quem precisa? Você é do tipo que quando se sente triste, sabe exatamente o que lhe causou a tristeza? Você tem o poder de se auto motivar? Bem, se você se encaixa positivamente na maioria das questões, provavelmente, você tem um Quociente Emocional (QE) elevado.
A teoria desenvolvida academicamente pelos psicólogos americanos, John Mayer e Peter Salovey, estuda a habilidade das pessoas de perceberem estados internos, motivações e comportamentos de si próprias e dos outros e, assim, agir de acordo com as suas melhores percepções.
“Pessoas que são emocionalmente adaptadas, que sabem conciliar seus sentimentos com a realidade e conseguem ler as emoções das outras se destacam em qualquer aspecto da vida, seja o da intimidade das relações afetivas ou o da interpretação das regras não escritas que governam o sucesso nas organizações”, diz Daniel Goleman, outro pesquisador sobre o assunto, no livro “Inteligência Emocional - Por que ela é mais importante que o QI.
A Inteligência Emocional e/ou Quociente Emocional (QE) é a capacidade de expressar, mas principalmente, de avaliar emoções facilitando a compreensão e colaborando para o crescimento emocional. Podemos dizer que é a capacidade de compreender e filtrar as emoções - tanto as suas como as de outras pessoas - direcionando-as para o lado positivo.
A emoção tem a capacidade de influenciar raciocínios. Saber agir emocionalmente bem e com inteligência traz um diferencial na vida pessoal e profissional. As pessoas que possuem equilíbrio são capazes de tomadas de decisão assertivas, trabalham em prol dos objetivos de todos e produzem resultados ganhando assim destaque nas organizações.
Mas, segundo os professores Martin Kilduff, Dan Chiaburu e Jochen  Menges, existe também um lado ruim, pois algumas pessoas com a habilidade de QE podem tornar-se maquiavélicas e utilizar suas habilidades emocionais para manipular os outros. É neste momento que a capacidade de comunicação deve ser usada. Como já mencionei em outros artigos, em um ambiente onde a comunicação é utilizada abertamente como um canal de conhecimento e desenvolvimento, esse tipo de indivíduo acaba perdendo totalmente o espaço.
É possível trabalhar a Inteligência Emocional no seu dia a dia. A primeira coisa para se preocupar é se autoconhecer. Como lidar com os outros se não nos conhecemos? Passe a prestar mais atenção “em quem você é e o que quer”. Avalie situações onde houveram más decisões, por exemplo, e repense quais atitudes seriam tomadas se fosse hoje.
Um outro fator importante é se abrir para o mundo. Queira saber mais das pessoas, queira aprender sobre suas vidas. Além de praticar sua capacidade de comunicação, você também estará mais atento às emoções e aos comportamentos dos outros.
Seja mais otimista, aprenda a se motivar e tenha mente aberta para as novas ideias. Ficar perdido entre seus problemas, lutando contra o novo e o desconhecido, pode gerar um estresse desnecessário, o que vai totalmente em desencontro com o objetivo de um equilíbrio emocional.
E o mais importante de todos: perceba o quanto é importante ser emocionalmente inteligente. Ter as habilidades de QE vai lhe levar a melhores relacionamentos, a melhores oportunidades e o principal, à felicidade plena.

Marcelo Cardoso é especialista em coaching, PNL (Programação Neuro Linguística) e fundador da Arco 7.

 

 

Ciência para a vida

  • PDF

A linha pedagógica do sistema de ensino logosófico busca formar cidadãos para a vida tendo como eixo norteador o autoconhecimento. O plano de ensino curricular é parecido ao desenvolvido em outros colégios, a diferença é que no momento em que as disciplinas são ensinadas em sala, os professores também trabalham com os alunos valores ligados a vida. Desta maneira, a intenção é contribuir de uma forma mais integral com a formação dos jovens estudantes.
O assunto é pertinente, por isso ganhou destaque na capa desta edição. Afinal, como se tornar um ser humano melhor? Como formar seres humanos melhores? Para tentar responder a estas e outras perguntas, o Escola traz nas páginas 4 e 5 matéria que aborda características da Logosofia. Além do assunto, o caderno conta com outras abordagens que versam sobre formação. Exemplo disso é o texto a respeito de projeto especial desenvolvido em escolas municipais de Senador Canedo.
No município goiano, alunos da rede municipal de ensino participam do projeto “E se você fosse o autor?”, que utiliza a tecnologia para contribuir com a formação de novos leitores. Um trabalho que já rendeu até prêmio nacional. Exemplo da força das boas iniciativas. As duas reportagens são assinadas pela repórter Simonny Santos. Boa leitura!

 
Banner
Voce esta aqui Escola