skip to Main Content

Exclusivo: Após ser retirada do comando do MDB em Rio Verde, Marussa Boldrin articula ida para o PL


Luís Gustavo Rocha Por Luís Gustavo Rocha em 28/01/2024 - 13:20

Deputada Marussa Boldrin. Foto: Vinicius Loures/Câmara dos Deputados 

Eleita deputada federal pelo MDB, Marussa Boldrin deve trocar de legenda após ter sido destituída da presidência da comissão provisória pelo vice-governador Daniel Vilela, que comanda o diretório estadual do partido. Na última semana, a parlamentar conversou com aliados informando da articulação para se filiar ao PL. Sobre o risco de perda de mandato, uma das fontes ouvidas pela coluna considera haver “justificativa de sobre para ela conseguir via TSE a autorização de saída”.

Em entrevista a uma rádio local, Marussa contou que não houve aviso prévio da decisão de retirá-la. O vice-presidente estadual do MDB, Manuel Cearense, em entrevista à coluna na quinta-feira, 28, afirmou ter certeza “que, antes, Daniel teve uma conversa” com ela e que “o MDB fica com o prefeito Paulo do Vale (UB)”, de quem a deputada é opositora de longa data. “É uma escolha da Marussa ser oposição ao prefeito Paulo”, analisou, defendendo que a comissão provisória deve ficar sob a presidência do deputado estadual Lucas do Vale (MDB), filho do prefeito.

Após a medida, que abria caminho para o partido marchar junto com o União Brasil no município, a base governista se movimentava para pacificar a divisão. Gustavo Mendanha afirmou que, sem destituir Marussa, “Daniel ficaria em uma situação muito difícil com o governador”, considerando que “um vice tem que ser muito leal”. O vice-presidente do MDB estadual lembrou que “a aliança com o governador Ronaldo Caiado em 2022 já era um projeto do MDB para Daniel ser o candidato a governador em 2026”.

Uma pessoa que esteve na reunião de Marussa com seu grupo político, neste sábado, 27, informa que o presidente da Faeg, José Mário Schreiner, também deve se filiar ao PL com a intenção de ser candidato a senador em 2026.