skip to Main Content

Conspiração

Bancada do PL levanta suspeitas sobre o governador Ronaldo Caiado querer minar os planos de Wilder Morais, em 2026


Domingos Ketelbey Por Domingos Ketelbey em 26/05/2024 - 07:37

Caiado e Wilder Morais (Foto: Divulgação)

A bancada de deputados estaduais do PL em Goiás não gostou nada de um fato novo envolvendo uma ação que pode provocar a cassação da chapa na Assembleia Legislativa do Estado de Goiás. Paulo Cézar Martins, Major Araújo e o delegado Eduardo Prado, líder do partido no legislativo correm risco de perderem seus mandatos, por conta de problemas em relação a cota de gênero na chapa eleita, em 2022.

Acontece que, em 2022, o PL chegou às urnas, no primeiro turno, com menos candidatas mulheres do que o exigido pela lei eleitoral. Com duas candidaturas indeferidas, a legenda chegou com 25,8% da cota. O mínimo é 30%. Coube ao União Brasil e o MDB, fizeram o dever de casa e atingiram o coeficiente necessário, uma ação contra a bancada eleita. E que pode provocar a queda dos três liberais eleitos.

Ao longo dos últimos dias, o PL viu um novo fato envolvendo a ação. Os advogados Luciano Hanna, Anna Vitória Caiado e Alexandre Alencastro Veiga enviaram uma nova perícia ao Tribunal Regional Eleitoral de Goiás (TRE-GO), com novas evidências de fraude na cota de gênero. Acusava o PL de adulterar fotografias e prints de conversas no WhatsApp.

O desembargador Ivo Fávaro considerou desnecessária a nova perícia, pois a que já consta nos autos “é apta a comprovar suas teses” e destaca que os envolvidos devem aguardar a “audiência designada no contexto dos anexos”. O processo seguirá seu curso jurídico.

Se o PL está certo ou não, a Justiça Eleitoral vai decidir. A bancada liberal no entanto, insinua conspiração do governador Ronaldo Caiado contra o senador Wilder Morais (PL). Amigos e com bom relacionamento, o chefe do executivo estaria articulando contra o projeto do empresário de chegar ao Palácio das Esmeraldas, em 2026.

“O governador age de forma equivocada e tenta derrubar a base de sustentação do PL em Goiás. Ao tentar derrubar a bancada do PL, Caiado ataca o partido, prejudicando inclusive, o senador Wilder Morais em seu projeto para 2026.”, afirma o líder da bancada da legenda, Eduardo Prado, levantando suspeita de uma conspiração da base caiadista para minar os planos de uma pré-candidatura do empresário ao Palácio das Esmeraldas.

CONFIANÇA

Advogado de defesa do PL, Leonardo Pereira, diz que tudo está certo e não há fraude na cota de gênero. “A gente sustenta que não houve fraude porque uma das testemunhas depôs em juízo confirmando que fez campanha, comprovando que não é laranja”, pontuou

RELAÇÃO DUVIDOSA

Major Araújo questiona a relação existente entre Caiado e Wilder. ““Eu não entendo como o senador continua andando com o governador, mesmo após todos esses processos. Para mim, a relação política entre Caiado e o PL fica insustentável. Se depender dos deputados estaduais eleitos pelo partido, não haverá qualquer chance de diálogo”

“PROBLEMA”

O próprio Araújo chegou a reconhecer em encontro do PL no último dia 29 de abril que o partido passava por problemas em relação à cota de gênero. “Esse ano o PL não vai ter problema, o problema que nós estamos passando aqui, porque fomos mal dirigidos. Estamos passando por processos aí, alguns graças a Deus já foram julgados na chapa de federal mas a de estadual nós estamos com problema. Dessa vez, não, temos mais mulheres do que vagas”.

EU EXPLICO

À coluna, Araújo disse que quando a deputada federal Magda Moffato saiu da presidência do partido, mulheres que estavam no grupo da parlamentar decidiram sair da chapa de deputados. Daí, a origem do grande problema que o partido vive hoje.

GOLPE BAIXO

Major Araújo, entretanto, contesta a ação de Caiado: “Eu jamais entraria com uma ação contra uma pessoa ou partido que ganhou uma eleição no voto. Para mim, o voto e o eleitor são sagrados”, pontua.

PROJETO 2026

Um dos projetos do PL para 2026, é ter candidato ao Palácio das Esmeraldas. Neste sentido, o nome de Wilder Morais aparece como primeira opção dos liberais para a disputa.

TUDO CERTO, NADA ERRADO

Após inúmeras especulações que o prefeito de Trindade, Marden Jr (União Brasil) e o ex-prefeito Jânio Darrot (MDB), iriam caminhar em lados opostos nessas eleições, ambos não só posaram para foto, mas prometeram se engajar na campanha deste ano. “Esse afastamento que criaram é coisa de oposição. Sempre tivemos muito afinados”, garante o prefeito à coluna.

BASE SÓLIDA

À coluna, Marden diz ter dez partidos em sua base de sustentação. “Mas trabalhamos para ter mais”. 

MAIS ADIANTE

Marden garante que o perfil do vice ainda está à mesa. Vai esperar a Festa de Trindade passar para intensificar as articulações políticas. 

MDB À ESPERA

O prefeito de Trindade indica que não há compromisso com o MDB, partido de Jânio Darrot para a vice. “Vamos discutir o assunto com toda a nossa base. O MDB tem bons quadros. O União Brasil também tem. Vamos ouvir Jânio que é a nossa maior referência política”, destaca à coluna.

CENÁRIO ABERTO

Em Senador Canedo, o levantamento do Instituto Gazeta de Pesquisas mostra que o cenário está aberto, apesar da liderança de Fernando Pellozo (União Brasil), que também possui alta rejeição. O ex-prefeito Divino Lemes (PSDB), incomoda em segundo lugar. Izaura Cardoso (PSD) e Dra. Cristiane Pina disputam a terceira colocação. O ex-prefeito Misael Oliveira (PRD), está em quinto.

FUTURA

Outro levantamento, em Goiânia, feito pelo Instituto Futura, fez simulações com relação ao segundo turno. O senador Vanderlan Cardoso (PSD), venceria em todos os cenários, contra Gustavo Gayer (PL), Adriana Accorsi (PT) e Sandro Mabel (UB). Adriana Accorsi, venceria Gayer e Mabel. Gayer consegue derrotar apenas Mabel, que por sua vez, perde em todos os cenários.