skip to Main Content

No retrato atual, Adriana é pré-candidata, Vanderlan talvez seja e Bruno deixa de ser


Luís Gustavo Rocha Por Luís Gustavo Rocha em 21/01/2024 - 00:00

O entendimento de que a pré-candidatura de Adriana Accorsi está consolidada inibe especulações de que o PT e o PSD podem  confluir para uma só chapa na capital. Se alguma conversa em Brasília deu margem para essa hipótese, o deputado federal Rubens Otoni (PT) assegura que o diálogo do diretório municipal é que vai definir as estratégias para os próximos meses. Do lado de Vanderlan Cardoso (PSD), um silêncio tático que não fecha as portas para o PT, nem exclui a possibilidade de conversa com Ronaldo Caiado (UB). Em entrevista para a coluna, o senador, que possui perfil mais à direita, lembra que seu partido é de centro e tem ministérios no governo Lula. “O papel dos líderes partidários é conversar”, sentencia. Neste ano, porém, ainda não teve contato com o governador. Um petista que participa das movimentações em Goiânia desconfia que Vanderlan alimenta uma expectativa de entrar em acordo com Caiado .Na base governista, no entanto, uma fonte consultada não se arrisca a dar palpites em nome do governador, ao mesmo tempo em que distingue Vanderlan, que “ajudou a eleger o senador Wilder Morais”, do PSD, que “é da base do governador”. Nesse sentido, cabe a pontuação de um político que está operando nos bastidores da capital: “A verdade é que a eleição passa por 2026 . “A mensagem de um caiadista é que a escolha do candidato da base será em agosto, traduzindo uma ideia de que não há pressa no processo decisório, justamente em um momento no qual Bruno Peixoto foi apontado pela intensidade dos atos e teve que pisar no freio. “Era para ter apenas começado um diálogo, sem exagerar.” Mas o retorno do governador à ativa, nesta semana, pode trazer um novo ritmo às articulações da base para apresentar a opção que Caiado defenderá para concorrer no primeiro turno com Adriana e, possivelmente, com Vanderlan, que ainda não confirmou a pré-candidatura.

Na vontade

O nome do ex-prefeito de Aparecida de Goiânia, Ademir Menezes (PSD), é cogitado para o pleito deste ano, mas o projeto pode não ser levado adiante. “A vontade dele é ser candidato, mas nós queríamos que ele continuasse à frente dos negócios da família”, diz o filho Max.

Morto e sepultado

Um aliado de Rogério Cruz (Republicanos) ouviu de um dos auxiliares do prefeito que o grupo criado pelo marqueteiro Jorcelino Braga, o Grupo de Apoio ao Prefeito (GAP), está enterrado em definitivo. Após Braga desembarcar da gestão, no fim do ano passado, Rogério indicou que manteria a espécie de “corpo consultivo”.

Palmas

“Inteligente” e “sábio” foram os elogios de um integrante do governo estadual ao recuo de Bruno Peixoto (UB) na pré-campanha para se firmar como nome da base na capital. Ele tratou o episódio como uma “correção” do percurso, sustentando que até agora não há candidato da base.

Palmadas

Mudando o tom, o mesmo integrante reprovou o gesto dos partidos da base aliada que ofereceram guarida para Bruno dar continuidade à pré-candidatura. “Eles não podem escolher por nós”, criticou, observando que as manifestações seriam apenas jogo de cena.

Querer…

PL, PSB e Republicanos tentam atrair o deputado estadual Gugu Nader (Agir), cujas pesquisas de intenção de voto indicam um favoritismo para a corrida eleitoral em Itumbiara.

…é poder

Maior beneficiado pelo Fundo Eleitoral entre as três legendas, o PL é o partido do qual Gugu mais está próximo até o momento. O deputado avisa que teria “uma felicidade muito grande” em “ser o porta-voz do senador Wilder” na Assembleia Legislativa, mas caso não haja consenso, não descarta as demais propostas.

 

NOIVO COBIÇADO> Sondado para vice nas chapas de Vilmar Mariano (MDB) e de Professor Alcides, Max Menezes (MDB) fará uma “avaliação fria” sobre o caminho que deve trilhar. “Nós vamos fazer uma pesquisa em fevereiro”, explica. Mas ele não se pautará apenas pelos números: o espaço que poderá disputar em 2026 também entra na mesa de negociação.

Arrumação

A reunião entre o presidente estadual do PSB, Elias Vaz, e o líder do partido na Assembleia, deputado estadual Karlos Cabral, na sexta-feira, 19, era aguardada para discutir a pré-candidatura do parlamentar em Rio Verde. Um dos fios desalinhados é a relação com vereadores da base de Cabral que ainda não teriam embarcado no projeto. Enquanto isso, Cabral tem dividido tempo entre agendas na cidade e em outras bases.

Ambição

O PSB quer ampliar o número de prefeituras a partir do ano que vem. Além de Rio Verde, planeja concorrer ao Executivo em outros 29 municípios goianos, como Valparaíso de Goiás e Porangatu. Atualmente, a legenda tem cinco prefeitos.

Minoria

O deputado federal Rubens Otoni (PT) diz que é minoritária a ala do partido que almeja candidatura própria em Aparecida de Goiânia. “O PT faz parte da administração e é natural que continue nesta composição, buscando retomar a representação na Câmara Municipal.”

Além do bem e do mal

Lissauer Vieira (PL) não vai apostar todas as fichas na polarização. Apesar da sintonia com o bolsonarismo, o perfil administrativo deve ser colocado em discussão. “Precisamos ter alguém com visão administrativa e pulso”, afirma.

Nada mal

A preparação para a campanha de Lissauer conta com o reforço do especialista Marcelo Vitorino, um dos nomes mais famosos do país na área do marketing eleitoral.

Estamos entendidos
Havia expectativa entre deputados próximos de Bruno Peixoto que o presidente da Casa teria encontro com Caiado assim que ele retornasse para Goiânia, mas ainda na sexta, dia em que o governador recebeu alta, Bruno compareceu ao Hospital Vila Nova Star, em São Paulo.