skip to Main Content

Sebrae acelera pequenos negócios ligados à bioeconomia da Amazônia

Por Redação Tribuna do Planalto - 24/05/2022

Floresta amazônica | Foto: Conexão Planeta

Da redação

O programa Inova Biomas – Amazônia, iniciativa do Sebrae, selecionou 240 pequenos negócios para a próxima fase de aceleração da iniciativa. Ao longo de seis meses, os participantes vão receber suporte para potencializar o desenvolvimento dos negócios inovadores em bioeconomia, caracterizados pelo uso de insumos ativos da biodiversidade da Amazônia de maneira sustentável para gerar produtos ou serviços de alto valor agregado.

Além de participar de mentorias especializadas, eventos de conexão com o mercado e com investidores, os selecionados vão receber recursos financeiros por meio de uma bolsa sócio empreendedor, no valor de R$ 6,5 mil por mês para se dedicar ao seu negócio durante os seis meses. Cada empresa acelerada pode receber até duas bolsas-auxílio.

O analista de Inovação do Sebrae, Philippe Figueiredo, destaca que os pequenos negócios selecionados apresentam soluções diversificadas e inovadoras na área de bioeconomia. “São soluções para a produção de fármacos, fitoterápicos, cosméticos, bem como ecodesign, casa e construção, por exemplo, além de soluções inovadoras para setores mais tradicionais ligados aos segmentos de alimentos, bebidas e agro”, pontuou.

O pesquisador e químico em produtos naturais, Ricardo Marques, foi um dos selecionados para participar da próxima fase do Inova Amazônia. Com mais de 10 anos dedicados à vida acadêmica, ele desenvolveu um projeto de pesquisa para produzir ibogaína, substância utilizada para tratamentos de dependência química, encontrada naturalmente em raízes de plantas da África que se encontram em extinção. Estima-se que 1 grama da ibogaína custe em torno de R$ 5 mil.

Em um projeto pioneiro no país, Ricardo conseguiu converter moléculas de uma planta encontrada no Acre em ibogaína. Segundo ele, já existem evidências científicas que também apontam o uso efetivo da ibogaína para tratamentos de doenças neurodegenerativas como Parkinson, bem com depressão e estresse pós-traumático.

“O Inova Amazônia possibilitou que eu tirasse da gaveta um projeto que eu considerava promissor, mas que estava parado. Eu sabia que conseguiria produzir ibogaína em pequena escala no laboratório, mas minha dúvida sempre foi saber se poderia transformar esse trabalho de pesquisa em um negócio que fosse sustentável e que gerasse renda. Pedi demissão da Universidade, onde sou coordenador e professor para me dedicar exclusivamente ao projeto e estou recebendo apoio incondicional do Sebrae”, conta.

A partir do programa, o pesquisador conseguiu estruturar o projeto para se transformar em um negócio inovador e criou a startup Farmazon. “Eu costumo dizer que na Amazônia, nós temos todas as chaves para abrir qualquer fechadura, comparando uma fechadura a uma doença, por exemplo. Só basta cuidar, preservar e procurar atuar de modo responsável. Por isso, planejamos uma produção sustentável com replantio de mudas, estimulando os povos da floresta em mantê-la de pé como valor que pode gerar renda para eles também”, ressalta.

Empoderamento das mulheres da floresta

Em Rondônia, as irmãs Mareilde e Roseli Freire e a sobrinha Jaqueline comandam a Saboaria Rondônia, primeira indústria de cosméticos do estado com insumos da biodiversidade da Amazônia. O pequeno negócio também será acelerado pelo programa Inova Amazônia. Durante dois meses, elas participaram da pré-aceleração online e conseguiram avançar para a próxima fase da iniciativa.

“O Inova Amazônia é um programa completo e tem um olhar diferenciado para o nosso estado que muitas vezes não é lembrado. Entramos de cabeça no programa e acredito que vamos sair mais preparadas para enfrentar os desafios do mercado, inclusive fora do Brasil. Já temos compradores de outros países interessados no nosso negócio e depois da aceleração, vamos mergulhar na fase de internacionalização que também faz parte do programa”, destacaram.

O pequeno negócio começou de forma informal com apenas R$ 152 com a produção de sabonetes glicerinados em 2015. Aos poucos a produção artesanal foi crescendo e o negócio se formalizou dois anos depois. Além de gerar trabalho e renda para a família Freire, a Saboaria Rondônia busca integrar mulheres de comunidades rurais da região de Ouro Preto do Oeste, localizada a 300 km da capital Porto Velho.

O negócio atua em três linhas de frente: empoderamento feminino rural, desenvolvimento rural sustentável e valorização da cadeia produtiva regional. Atualmente a empresa comercializa uma linha de 19 produtos, como sabonetes, hidratantes, sérum, pasta esfoliante, shampoos e condicionadores em um site na internet e pelas redes sociais, mas enfrenta dificuldades com a logística e distribuição para outras localidades.

“Participamos de mentorias e fizemos conexões importantes fora de Rondônia para o crescimento do nosso negócio durante eventos que participamos com o apoio do Sebrae. Com isso, já conseguimos dois pontos de venda para nossos produtos no Rio de Janeiro e São Paulo. Também estamos construindo uma nova marca, a Toque Amazônico, que representará melhor o nosso negócio”, contaram.

Back To Top