skip to Main Content

Ação da DPE garante que plano de saúde custeie cirurgia de mais de R$ 100 mil

Idosa de 85 anos precisava de procedimento cirúrgico chamado MitraClip


Avatar Por Redação Tribuna do Planalto em 13/05/2024 - 17:30

Em diálogo com o Ipasgo, a DPE-GO teve resposta positiva e garantiu intervenção cirúrgica não invasiva, que ocorreu de forma bem-sucedida na última segunda-feira (05)
Atuação extrajudicial da Defensoria Pública do Estado de Goiás (DPE-GO) garantiu que assistida de 85 anos realizasse cirurgia cardíaca não custeada pelo plano de saúde. O valor do procedimento cirúrgico chamado MitraClip, implantado no coração por meio de um cateter inserido na veia femoral, ultrapassa R$ 100 mil. Em diálogo com o Ipasgo, a DPE-GO teve resposta positiva e garantiu intervenção cirúrgica não invasiva, que ocorreu de forma bem-sucedida na última segunda-feira (05).
Entenda o caso
Com quadro de infecção pulmonar e urinária, dona Divina da Silva precisou dar entrada na emergência de uma unidade de saúde situada em Goiânia. Após alguns dias internada, foi diagnosticada com insuficiência da válvula mitral, situação grave que acontece quando esta válvula não se fecha corretamente e parte do sangue volta para o átrio esquerdo, sobrecarregando o coração e os pulmões.
Após o diagnóstico, a assistida foi encaminhada para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e a família recebeu a informação de que ela teria que passar por uma cirurgia de implantação de um pequeno clipe no coração por meio de um cateter inserido na veia femoral, vaso sanguíneo na perna. O ponto de esperança, por um momento, pareceu distante com a também notícia de que o procedimento cardíaco não era custeado pelo Ipasgo (Plano de Assistência à Saúde dos Servidores Públicos do Estado de Goiás).
Para recorrer da negativa de autorização do procedimento, a família procurou o Ministério Público de Goiás (MP-GO) e, ao chegar na instituição, foi orientada a buscar atendimento junto à Defensoria. Em atuação rápida, a DPE-GO, por meio da 2ª Defensoria Pública Especializada de Atendimento Inicial em Saúde da Capital, garantiu a realização do procedimento de forma extrajudicial.
A defensora pública Michelle Bitta destaca que a Defensoria Pública trabalha intensamente para a resolução extrajudicial das demandas. Isso é benéfico tanto para o paciente, que tem um resultado mais rápido, quanto para a outra parte, no caso o plano de saúde, que evita gastos.
Sem esconder a alegria pela melhora da mãe, Rodrigo da Silva conta que a atuação da DPE-GO foi muito importante para toda a família. Segundo ele, não fosse a agilidade no processo, a cirurgia poderia ser remarcada pelo hospital e, com isso, piorar o quadro da dona Divina. “Sou muito grato e agradeço toda a equipe da DPE-GO. Foi uma atuação muito importante e determinante, porque correria o risco de ter que reagendar a cirurgia. Quando minha mãe receber alta, vamos realizar uma grande festa”, descreve Rodrigo.