skip to Main Content

UFG vence prêmio que incentiva alternativa ao uso de animais em laboratórios

A novidade apresentada no Prêmio Lush é a incorporação desses conhecimentos em um sistema microfisiológico que combina um modelo de pele 3D (tridimensional) reconstruído e componentes derivados de células-tronco dentárias


Avatar Por Redação Tribuna do Planalto em 05/06/2024 - 19:00

Lauren Dalat de Souza Coelho, foi premiada no Prêmio Lush 2024, na categoria Jovem Pesquisador

A mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas, vinculado à Faculdade de Farmácia da Universidade Federal de Goiás (PPGCF/FF/UFG), Lauren Dalat de Souza Coelho, foi premiada no Prêmio Lush 2024, na categoria Jovem Pesquisador. O evento foi realizado em Londres (Inglaterra) no dia 21 de maio e tem o objetivo de valorizar, a cada dois anos, ações e pesquisas que buscam eliminar ou substituir os modelos animais em testes de laboratório.

Intitulado “Plataforma multiórgãos em chip para triagem de teratogenicidade humana de cosméticos”, o estudo de Laura foi o selecionado dentre outros 14, de diversas partes do mundo. O trabalho da pesquisadora já havia sido reconhecido no final do ano passado, durante o I Congresso Brasileiro de Métodos Alternativos ao Uso de Animais na Pesquisa e no Ensino (CBMAlt).

Os resultados então apresentados indicaram o potencial uso de células-tronco humanas para o desenvolvimento de novas abordagens metodológicas (NAMs), com destaque para a identificação de compostos teratogênicos – relativos a substâncias ou agentes capazes de provocar malformações congênitas em um embrião ou feto em desenvolvimento. Em outras palavras, as descobertas podem ajudar a substituir o uso de animais nesse tipo de teste.

A novidade apresentada no Prêmio Lush é a incorporação desses conhecimentos em um sistema microfisiológico que combina um modelo de pele 3D (tridimensional) reconstruído e componentes derivados de células-tronco dentárias. Tal arranjo poderá permitir a investigação dos potenciais efeitos teratogênicos quando exposto a cosméticos aplicados diretamente sobre a pele, em cenários mais realistas.

Para Lauren, o modelo pode suprir a carência por métodos in vitro que avaliem a teratogenicidade em produtos cosméticos disponíveis no Brasil. “Atualmente, a metodologia padrão-ouro para este desfecho, a OECD 414 [sigla em inglês para Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico], é laboriosa, cara, eticamente questionável, uma vez que utiliza em média mil animais por experimento, e pode não reproduzir com acurácia respostas humanas”, afirma.

O trabalho premiado é a base do projeto que deve ser ampliado na etapa de doutorado da pesquisadora. A finalidade, conforme explica Dalat, “é desenvolver um modelo mais realista, considerando o cenário de exposição, para avaliar o desenvolvimento mesenquimal precoce humano usando um sistema fisiologicamente relevante. O plano é associá-lo à pele humana, que é a principal via de exposição aos cosméticos”.

A mestranda da UFG, que tem 25 anos, ainda manifestou orgulho por representar as mulheres latino-americanas e ser uma inspiração para outras jovens que estão iniciando sua trajetória na pesquisa. “Quero dizer que a ciência é para vocês, tanto no Brasil como no exterior. Mantenham seus sonhos vivos até que eles se tornem realidade”, disse em uma de suas redes sociais.

A cerimônia do Prêmio Lush 2024 prestigiou, ao todo, 14 projetos, organizações e cientistas de nove países, com a distribuição de 250 mil libras esterlinas. Por vencer em sua categoria, Dalat fez jus a um fundo de aproximadamente R$ 66 mil na cotação atual. A ideia é que os recursos subsidiem a continuidade de estudos ou projetos que contribuam para o fim dos testes em animais.