skip to Main Content

5 dicas para limpar seu nome e resgatar seu crédito

Segundo levantamento da Serasa, atualmente mais de 72 milhões de brasileiros estão inadimplentes, o que indica que também estão, temporariamente, impedidos de ter acesso ao crédito


Avatar Por Redação Tribuna do Planalto em 14/05/2024 - 10:20

Segundo o mais recente levantamento do Mapa da Inadimplência e Renegociação de Dívidas, feito no último mês de fevereiro pela Serasa, mais de 72 milhões de brasileiros estão em situação de inadimplência. Isso indica que, além de mais de 35% da população do país estarem momentaneamente sem condições de honrar suas dívidas, elas também estão sem acesso a linhas de financiamento imobiliário, o que dificulta o processo de realização do sonho da casa própria.

E nesse cenário, há uma situação ainda pior, muitos consumidores só descobrem que estão com nome negativado quando vão buscar financiamento para a compra de algum imóvel. O gerente comercial da MRV, Paulo Passos, percebe esse tipo de situação com frequência quando vai atender seus clientes.

Ele observa que na empresa em que atua, pelo menos de 30 a 40% dos clientes que tentam o financiamento não conseguem de imediato por pendências que restringem o acesso ao crédito. “Inclusive, antes mesmo da venda do imóvel, faz parte do trabalho dos corretores de imóveis da equipe orientar os consumidores a regularizar seu nome. Nós informamos o caminho a ser percorrido, prestando informações e tirando dúvidas”, explica.

Na maioria das vezes, de acordo com passos, as pendências detectadas poderiam ser sanadas facilmente se houvesse acompanhamento por parte do consumidor ou uma comunicação mais efetiva entre credor e devedor. “Então é comum termos aqui gente que não consegue o financiamento porque não pagou uma conta telefônica de uma linha que cancelou ou, ao cancelar uma conta corrente, não se certificou da existência de débitos cadastrados naquela conta, como na fatura do cartão de crédito, débitos automáticos de serviços por assinatura e outros”, relata o profissional.

O gerente comercial pondera que solucionar essas pequenas pendências financeiras que impedem o acesso ao crédito imobiliário não é tão difícil. Ele cita, por exemplo, a plataforma digital Serasa Limpa Nome, um serviço gratuito de negociação de dívidas do país. Seu principal objetivo é ajudar o consumidor a sair da negativação. Para se ter uma ideia, o valor médio de cada dívida no país é de R$ 1.408,06, segundo levantamento do Mapa da Inadimplência e Renegociação de Dívidas, com a plataforma de renegociação o débito pode cair quase pela metade, R$ 784,22.

Outro serviço gratuito e que pode ajudar muitos consumidores a recuperarem sua capacidade de conseguir crédito é o programa Desenrola Brasil. Lançado em outubro de 2023, a iniciativa do governo federal, até o fim de 2023, já beneficiou cerca de 11 milhões de brasileiros, incluindo pessoas que tiveram seu nome desnegativado automaticamente por terem dívidas inadimplentes de até R$ 100.

Cinco dicas para recuperação de crédito

1 – De onde vem e onde está – A primeira coisa quando o cliente tem uma pendência é entender de onde é essa dívida e em qual fase de cobrança está o débito. Às vezes, quando recente, a dívida ainda pode estar no serviço de cobrança da própria empresa credora. Mas, dependendo do tempo, ela pode ter sido executada judicialmente ou passada para uma empresa de assessoria de crédito, que faz a cobrança extrajudicial. Nesse caso, o consumidor pode procurar a própria empresa credora.

2- Orientação especializada – Um contador, um advogado de confiança ou até mesmo um corretor de imóveis experiente, pode ajudar nos trâmites para a regularização dos débitos que estejam travando seu acesso ao crédito imobiliário, mesmo alguns que já foram pagos. “É importante a pessoa saber que não basta ela ir a empresa ou ao cartório pagar a dívida, ou então fazer uma negociação e pagar a primeira parcela. É necessário que ele informe a empresa credora ou a assessoria de cobrança, para que o nome da pessoa seja retirado dos serviços de proteção ao crédito”, informa Paulo.

3 – Atenção especial com as dívidas com bancos – Paulo destaca que essa orientação é tão importante, pois pode acontecer da pessoa pagar uma dívida e ainda assim ter pendência no nome, principalmente no caso de dívidas com bancos. Se o consumidor pagar a dívida com desconto, os demais bancos terão acesso à informação via sistema do Banco Central e poderão considerar a negociação como prejuízo, impactando na liberação de crédito para um novo financiamento. “Então, nossa orientação é pagar a dívida com bancos na íntegra. Caso o cliente já tenha pagado com desconto, podemos entrar em contato e solicitar a forma de realizar o pagamento na íntegra ao banco para eliminar a informação no Bacen de prejuízo ao sistema“, afirma o gestor.

4 – Atenção ao comprometimento da renda – Em geral, os bancos brasileiros liberam até 30% da renda do consumidor como capacidade de pagamento de parcelas de financiamento. Sendo assim, se uma pessoa quer financiar um imóvel e já tem outros financiamentos, como a parcela de um carro ou de uma moto, ele pode ter dificuldade de conseguir acesso ao crédito imobiliário, a depender da sua renda mensal e do valor do imóvel. Paulo explica que “quando o consumidor tem compras parceladas de curto a médio prazo, por exemplo, orientamos a antecipar essas parcelas para eliminar esse comprometimento de renda e fazer a tentativa de financiamento”.

5 – Some renda com outra pessoa – Uma alternativa para pessoas que estão com comprometimento de renda é realizar o financiamento em conjunto com outra pessoa que possa somar as rendas. Pode ser noiva, noivo, pai, mãe, tio, irmão ou qualquer outra pessoa.